21.12.06

Livros: A Year in the Merde

Os Franceses são chauvinistas. Os Franceses comem baguetes. Os Franceses possuem um sotaque efeminado. Os Franceses dizem "Oh-La-La". Tudo verdade. No entanto, depois de ler A Year in the Merde, passei a considerar os Franceses criaturas adoráveis.



A Year in the Merde narra a história de Paul West, cidadão britânico solteiro e bem-apessoado, que se desloca à capital francesa contratado para planear a abertura de uma cadeia de salões de chá no país da Torre Eiffel. Ao longo de um ano, Paul West descobre uma nação onde a liberdade sexual impera, onde as greves se acumulam de semana para semana, onde toda a gente diz bom dia e boa tarde e se cumprimenta com dois beijinhos (ai que medo, os germes), onde existem feriados e pontes e o país pára nos meses de Verão, onde as prostitutas de rua declamam poesia popular e onde nem toda a gente fala inglês (que horror!). Tudo é escrito num tom bem-humorado, com recurso ao estereótipo e a uma sucessão de azares e mal-entendidos.

A Year in the Merde é uma leitura leve e bem-conseguida. O grande problema (ou ponto de interesse) deste livro é a sua tendenciosidade. Paul West (ou melhor, Stephen Clarke, o autor de A Year in the Merde) é um inglês com ares e manias de cavalheiro superior, ridicularizando para isso os Franceses por terem uma cultura diferente da sua. O simples facto das tomadas de electricidade serem diferentes é motivo de chacota. Os Franceses que tentarem falar Inglês sem dominarem a língua são rebaixados, quando a própria personagem não consegue articular duas palavras seguidas de Francês. Dei por mim a fazer o impensável: Defender os Franceses e torcer para que este indivíduo sufoque com um croissant mal mastigado.

A Year in the Merde mostra ao leitor que os Ingleses não só não entendem os Franceses (e os países latinos de um modo geral), como também estão demasiado maravilhados com o seu próprio umbigo para repararem no adubo que os cãezinhos largam nos passeios dos nossos países e assim partirem as suas perninhas e bracinhos. Das centenas de pessoas que são hospitalizadas todos os anos na França por escorregarem em bosta de cão, mais de 80% são turistas, e uma larga parte desses mesmos turistas são provenientes de países Anglo-Saxónicos. Depois deste livro, não tenho pena nenhuma deles.

5 comentários:

  1. Nunca vou entender nem ter consideração por gajos que metem as carcaças debaixo dos braços e bem juntinho aos sovacos

    Desculpa-me mas é uma questão de princípios

    Boas, muitas e selvagens festas para ti nesta quadra

    ResponderEliminar
  2. Li este "...Merde" por volta do Verão e, apesar de tudo, gostei: é divertido, levezinho e lê-se bem. E achei curiosa (e bem apanhada) a referência à porteira... portuguesa.

    Joyeux noel!

    ResponderEliminar
  3. O problema é que os ingleses comem pouco fromage e sentam na le cadeiré ao contrario...

    ResponderEliminar
  4. Pedido de ajuda para trabalho:
    http://insustentaveleveza.blogspot.com/2006/12/pedido-de-ajuda-para-trabalho.html

    ResponderEliminar
  5. Eu, que estou a ler o livro neste momento, também já dei por mim a considerar este inglês uma personagem detestável. A sua pose fê-lo pisar tantas vezes a "merde" que não pôde ver e fá-lo achar quase impossível que uma francesa não pretenda dormir com ele após a 1ª ida a um barzinho.
    Mas estou-me a divertir com o livro, porque é uma caricatura e porque, no fundo, descrevendo os franceses também descreve os portugueses, que, apesar de serem asseados e não andarem com o pão debaixo dos braços, fazem greves constantes, param no mês de Agosto, cumprimentam-se com 2 beijos, têm casas de frangos e odeiam a comida inglesa, que é realmente asquerosa!

    ResponderEliminar